segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Dando "teco" aonde não deveria

Eu tive um namorado (prefiro manter a identidade dele secreta, sorry) que me dava teco em tudo que tinha a ver com a minha aparência. Se eu usava um vestido balonê, ele dizia: "Cara, isso te deixou gorda! Tira!". Se eu fazia chapinha, e no lugar onde a gente ia, chovesse, ele "chorava" junto comigo, conforme o efeito da chapinha ia acabando. Se eu pintava as minhas unhas com cores fortes, ele mais uma vez dizia: "Estás parece aquelas modelos dos desfiles do Alexandre Herchcovitch, que usam coisas que garotas normais jamais usariam". Depois de alguns meses, quando o encanto que eu sentia por ele, começou a chegar no fim, eu finalmente resolvi dizer o que pensava sobre aquilo tudo. Cheguei a conclusão de que eu era um troféu que ele queria só mostrar para os amigos, e quando chegasse em casa ele deixaria em um canto qualquer da casa, às moscas. Ele não me dava o valor que eu realmente merecia. Se me conheceu daquele jeito, deveria ter em mente que eu não mudaria. Ele foi a pessoa que eu mais amei na vida, mas passou. O fato de ficar decidindo como eu deveria ser, só pra parecer uma coisa que eu não era pra outras pessoas, não era legal, me machucava e deixava minha auto-estima lá em baixo. Só assim aprendi a lidar com esse tipo de situação, e foi até bom ter passado por isso, sabe?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Dando "teco" aonde não deveria

Eu tive um namorado (prefiro manter a identidade dele secreta, sorry) que me dava teco em tudo que tinha a ver com a minha aparência. Se eu usava um vestido balonê, ele dizia: "Cara, isso te deixou gorda! Tira!". Se eu fazia chapinha, e no lugar onde a gente ia, chovesse, ele "chorava" junto comigo, conforme o efeito da chapinha ia acabando. Se eu pintava as minhas unhas com cores fortes, ele mais uma vez dizia: "Estás parece aquelas modelos dos desfiles do Alexandre Herchcovitch, que usam coisas que garotas normais jamais usariam". Depois de alguns meses, quando o encanto que eu sentia por ele, começou a chegar no fim, eu finalmente resolvi dizer o que pensava sobre aquilo tudo. Cheguei a conclusão de que eu era um troféu que ele queria só mostrar para os amigos, e quando chegasse em casa ele deixaria em um canto qualquer da casa, às moscas. Ele não me dava o valor que eu realmente merecia. Se me conheceu daquele jeito, deveria ter em mente que eu não mudaria. Ele foi a pessoa que eu mais amei na vida, mas passou. O fato de ficar decidindo como eu deveria ser, só pra parecer uma coisa que eu não era pra outras pessoas, não era legal, me machucava e deixava minha auto-estima lá em baixo. Só assim aprendi a lidar com esse tipo de situação, e foi até bom ter passado por isso, sabe?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leia Também

Related Posts with Thumbnails